sábado, 24 de dezembro de 2016

Trem Bala


Não é sobre ter
Todas as pessoas do mundo pra si
É sobre saber que em algum lugar
Alguém zela por ti
É sobre cantar e poder escutar
Mais do que a própria voz
É sobre dançar na chuva de vida
Que cai sobre nós

É saber se sentir infinito
Num universo tão vasto e bonito
É saber sonhar
E, então, fazer valer a pena cada verso
Daquele poema sobre acreditar

Não é sobre chegar no topo do mundo
E saber que venceu
É sobre escalar e sentir
Que o caminho te fortaleceu
É sobre ser abrigo
E também ter morada em outros corações
E assim ter amigos contigo
Em todas as situações

A gente não pode ter tudo
Qual seria a graça do mundo se fosse assim?
Por isso, eu prefiro sorrisos
E os presentes que a vida trouxe
Pra perto de mim

Não é sobre tudo que o seu dinheiro
É capaz de comprar
E sim sobre cada momento
Sorrindo a se compartilhar
Também não é sobre correr
Contra o tempo pra ter sempre mais
Porque quando menos se espera
A vida já ficou pra trás

Segura teu filho no colo
Sorria e abraça teus pais
Enquanto estão aqui
Que a vida é trem-bala, parceiro
E a gente é só passageiro prestes a partir

Segura teu filho no colo
Sorria e abraça teus pais
Enquanto estão aqui
Que a vida é trem-bala, parceiro
E a gente é só passageiro prestes a partir

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Roberto Carlos, o Inoxidável

Roberto fez seu tradicional show de fim de ano na TV Globo. Há muito eu não assistia uma apresentação tão memorável do Rei. Ele estava mais leve, despojado e até falou das conquistas alcançadas com o tratamento do seu Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC). Em consequência disso, Roberto cantou a música "Que vá tudo pro inferno" depois de anos sem pronunciar a última palavra. Foi o apocalipse! A plateia vibrou, eu vibrei, cantei, dancei na sala diante da televisão. Ainda gostaria de ver um show onde ele cantasse apenas as músicas dos anos 60 e 70, como também canções de outros artistas, como é o caso de "Pra ser só minha mulher", escrita por Ronnie Von e interpretada magistralmente pelo nosso querido, inolvidável e inoxidável rei Roberto Carlos! 

domingo, 18 de dezembro de 2016

À Beira do Abismo me deram Asas


A curiosidade de alguns nunca será o porquê que você caiu, e sim, como você fez pra ficar de pé, como você conseguiu se levantar, como você superou aquela dor, aquela decepção, aquele fracasso, aquela humilhação, como você deu a volta por cima, depois de uma queda tão grande. Porque na verdade são poucos os que se preocupam com a gente, quando o coração aperta, quando os ventos sopram forte, ou quando as tempestades chegam destruindo tudo que é nosso, até os nossos sonhos e sentimentos. Passar por momentos difíceis todos nós passamos, mas nem todos conseguem enxergar uma luz no final do túnel, nem todos conseguem sair dos escombros quando o teto começa a ruir, nem todos conseguem fazer do fundo do poço um lugar de escape. Os grandes heróis são preparados nas arenas mais incompreendidas da vida, para serem honrados, e muitas vezes choram sem ninguém ver. 

O que eu quero dizer a você, é que, ainda que você esteja passando por uma luta muito grande, por uma situação complicada, por algo que parece ser impossível de resolver, não entregue os pontos, não murmure, não peça a Deus pra morrer, porque este não é o seu fim, e sim o começo de uma grande mudança em sua história. Muitas vezes fazemos escolhas erradas sim, damos pernadas bobas, deixamos de ouvir aqueles que mais nos amam, tomamos decisões precipitadas, e de repente nos vemos num beco sem saída, porém, o momento agora não é de desespero, nem de lamentações, e sim, de arrependimento, perdão, e posição. Não permita que o sofrimento te tire o direito de vencer, não fraqueje agora, o poço pode estar fundo, mas se você olhar para cima vai ver que Ele tem a saída. Não tire os seus olhos do Senhor, não deixe que a vergonha, o medo de não conseguir, ou os dedos apontados dos outros, te impeçam de ser feliz. Ande de cabeça erguida.

Cecília Sfalsin

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Aos Alunos, Com Carinho


Finalizando um ciclo que durou dois anos... Eles eram tão pequenos quando chegaram para mim e agora estão saindo na pré-adolescência! Uma turminha adorável da qual sentirei muita saudade... É a vida seguindo seu curso. Que sejam muito felizes.

Da esquerda para a direita: Diogo, Athos, João Campos, Gustavo Paulista, Victor, Felipe, David, Gustavo Henrique, Joana, Izabella, Roberta, Ana Luísa, Igor Carvalho, Bernardo, João Caldas, Rafael, Yuri, Marcos Vinícius, Ygor Rodrigues, Rafaela, Luíza, Thamiris, Beatriz, Giovanna, Brenda, Christiane, Fabíola, Nathaly, Laura e Aline.

Excepcionalmente neste dia, a amada aluna Vitória não compareceu à aula. Tiramos a foto sem ela, mas deixarei aqui um registro da minha querida Vivi... Meu anjo, meu querubim!

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Nina...



O tempo não cura a dor, a gente é que se acostuma com ela... O "se" já não é possibilidade, a ausência é real... Então costumo a mergulhar nas lembranças, lugar de onde Ela não sai... Consigo ouvir sua voz, enxergar seu jeito de andar, sentir o cheiro da sua comida... aquela comidinha regada no tempero, o arroz-doce, o mingau de milho, o café coado duas vezes, o biscoito frito... Aí eu sorrio e parece que a vejo em frente a mim, pronta para receber um abraço! Mas antes, ela tinha que limpar as mãos no avental... As mãos pequeninas e tortas, suaves no toque, rígidas nos conselhos... Tão pequena no tamanho e tão gigante nos gestos, na benevolência, honestidade, honra e amor incondicional. Dia desses, quando eu estava no supermercado, passei pela gôndola de doces enlatados. Foi quando me lembrei da sua célebre frase: " A sobremesa é doce de pêssego com creme de leite"... Vovó Nina achava muito chique servir pêssegos de sobremesa. Em lata. Com creme de leite Nestlé. Não podia ser outra marca. Hoje faz quatro anos que ela nos deixou. Sinto muita saudade... Saudade da minha avó doce!

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Mensagem de Reiki

"Largue as disputas. Nelas, todos são perdedores. Coloque foco em si. Faça o seu melhor e confie. Você não precisa provar nada a ninguém. Fique do seu lado. Fique em paz."

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Dezembro - Jesuíta Barbosa


Jesuíta Barbosa me foi apresentado na minissérie Amores Roubados onde fez uma participação intensa, como todos que nesta série participaram. Depois pude vê-lo em Ligações Perigosas e, desta vez, fui tomada pelo encantamento. Mas, quando Jesuíta deu vida ao personagem Vicente, na sensacional teledramaturgia chamada Justiça, é que realmente ele me arrebatou de vez! Esse pernambucano de apenas 25 anos já desponta como um dos melhores atores desta geração. Sua interpretação é genuína e mesmo quando faz o vilão, não consigo ter raiva dele. Para encerrar o ano de 2016, escolhi este jovem ator que promete nos proporcionar ainda grandes emoções com o seu inquestionável talento!