segunda-feira, 5 de março de 2012

Christiane Torloni

Ela não é a Tereza Cristina. Seu trabalho é tão perfeito que alguns críticos boquirrotos costumam comparar a personalidade desta atriz esplendorosa com a de sua personagem em Fina Estampa. Acredito que isso se deva à falta de conhecimento sobre a vida e a obra de Christiane Maria dos Santos Torloni. Sim, Christiane Torloni é uma diva, uma estrela de primeira grandeza e que já imprimiu seu nome no hall dos grandes artistas contemporâneos.

Musa, mulher engajada, mãe... Há anos acompanho o seu trabalho e quando ela está no ar eu fico eufórica para assistir sua atuação. Eu sou assumidamente uma noveleira e isso vem desde criança. Todas as tramas em que Christiane Torloni atuou eu assisti. E posso dizer de cadeira: ela não é a insuportável e mau-caráter da Tereza Cristina. Aos 55 anos, essa mulher está dando um show de representação! Plastificada? Sim, está. Mas isso em nada interfere na sua verve artística! A cada ano que passa ela se supera... 

Christiane Torloni é sinônimo de superação. Uma mulher que sofreu uma perda irreparável e está aí esbanjando talento, não é pra qualquer um, não! Em 1991, ela perdeu seu filho ao fazer uma manobra na garagem de sua casa. A caminhonete que ela guiava despencou de uma altura de 4.5 metros, vitimando Guilherme, gêmeo idêntico de Leonardo. Ele tinha apenas 12 anos. Em choque, mudou-se para Portugal onde viveu até 1994, quando aceitou o convite para o papel de Dinah, em A Viagem. De longe, a melhor personagem de Christiane! Como eu chorei vendo aquelas cenas tristes e até mesmo algumas engraçadas. Como esquecer seu desespero ao saber da morte do irmão Alexandre? Sua separação de Teo? A doença e o falecimento de Otávio? Nossa, ela imprimia em Dinah todo o seu sofrimento, acredito eu. Era muito real! Louvável sua atuação e sua parceria com Antônio Fagundes.

Mas La Torloni não se deteve apenas na sofrida Dinah. Brilhou majestosamente como Dora, em Kananga do Japão; antes, em 1985, arrancou risos com sua doidivanas Jô Penteado, em A Gata Comeu! Depois vieram outros trabalhos primorosos como as gêmeas Vivi e Fernanda, de Cara ou Coroa. E quem se lembra da espevitada Claudia de Elas por Elas? Mais madura, incorporou uma das Helenas de Manoel Carlos, em Mulheres Apaixonadas. Deu vida a afetadíssima Melissa Cadore, em Caminho das Índias e ainda encontra-se no ar com sua impagável Tereza Cristina, apreciadora de "robalos", patroa do sensacional Crodoaldo Valério, em mais uma parceria de sucesso com o então ator Marcelo Serrado!

A novela Fina Estampa é muito chata e inverossímel. Um Pereirão que ganha 50 milhões na loteria e ainda se veste de macacão e caminha feito homem... Além de não contratar empregados para a sua mansão por achar que os filhos têm que ajudar, faça-me o favor! É muito chata, apesar da ótima abertura. Mas ainda bem que Christiane Torloni está lá a todo vapor para segurar o ibope (que anda nas alturas), pois se fosse depender apenas da "Naja Bigoduda" e do Chef-Sem-Sal, queria ver os números agonizando em pífios 30¨% no horário nobre. Não foi à toa que Aguinaldo Silva deu-lhe a alcunha de Rainha do Nilo, Pitonisa de Tebas, Divina Ísis, Nefertiti e Cleópatra... Christiane Torloni é realmente uma majestade!