quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Nina...



O tempo não cura a dor, a gente é que se acostuma com ela... O "se" já não é possibilidade, a ausência é real... Então costumo a mergulhar nas lembranças, lugar de onde Ela não sai... Consigo ouvir sua voz, enxergar seu jeito de andar, sentir o cheiro da sua comida... aquela comidinha regada no tempero, o arroz-doce, o mingau de milho, o café coado duas vezes, o biscoito frito... Aí eu sorrio e parece que a vejo em frente a mim, pronta para receber um abraço! Mas antes, ela tinha que limpar as mãos no avental... As mãos pequeninas e tortas, suaves no toque, rígidas nos conselhos... Tão pequena no tamanho e tão gigante nos gestos, na benevolência, honestidade, honra e amor incondicional. Dia desses, quando eu estava no supermercado, passei pela gôndola de doces enlatados. Foi quando me lembrei da sua célebre frase: " A sobremesa é doce de pêssego com creme de leite"... Vovó Nina achava muito chique servir pêssegos de sobremesa. Em lata. Com creme de leite Nestlé. Não podia ser outra marca. Hoje faz quatro anos que ela nos deixou. Sinto muita saudade... Saudade da minha avó doce!