sábado, 25 de maio de 2013

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Michel Melamed



Matéria frágil é o amor, amor. Por exemplo: uma bomba nuclear e ele já era. Por isso todo casal deveria antes, durante e depois de tudo ser amigo. Só a amizade e as baratas sobreviverão ao fim do mundo do amor.Outra: encantamento é a coisa mais importante do mundo (petróleo nada, os carros são movidos a encantamento). É claro que acho a criatividade a coisa mais importante do mundo, mas vida deveria ser um pedaço de criatividade cercado de encantamento por todos os lados. Quero dizer, criatividade é a chama, conquanto encantamento é o fósforo, a caixinha, o sambista… e o paiol.

Michelangelo sabia das coisas, vide “A Criação do Homem”. Assim, todo teto é potencialmente uma Capela Sistina. Em suma, encantamento é algo frágil. Encantamento é um bichinho de pelúcia que fala, anda e sente e pensa. É uma pessoa de pelúcia. É a pessoa mais linda do mundo de pelúcia. A pessoa mais linda do mundo nua e de polainas de pelúcia. E te amando. Encantamento é tesão lírico – ou tesão e lirisimo. Mas é frágil como qualquer coisa que morre. Cuide do seu encantamento sob risco de virar cimento – ou rima vã. Aliteração – ou renavam. Enfim, figura de linguagem, retórica, balela, baleia… Pois a sombra do encantamento é pesada e esperneia. Esmaga sem maldade, mas esmaga, atropela, pisa. Tem gente que a gente vê no olhar a sombra do encantamento repisando.

Lembrei dos Paralamas: “Cuide bem do seu amor”. Ao contrário dos filmes e do desejo popular, se tiver de ser será, etc, o amor é o eterno pique até a porta do elevador fechando. Quer dizer, torça para que tenha alguém lá dentro, que te ouça gritar “segura, por favor!”, e, fundamentalmente, corra na direção dele(a).Porque amor é vida na plenitude, assim, caminha para a morte, seu mar é o fim. Delicado jogo esse, sobre o arame sobre o abismo sobre o poema sobre a página sob os olhos. Em que aquilo é tudo na vida e ainda se tem a vida inteira – não no sentido de tempo, mas espaço. Por isso o casamento é meia pedra no caminho andado para o andor de barro da dor do fim do amor.

Há que se ter destreza para equilibrar tantos contorcionistas chineses, bigornas de cristal, tratores de papel, jumbos de mel… O amor é tão sinistro que te faz viver por contraste, oximoro velhaco – vide o texto.O amor é o eixo da desmáquina. O amor é molhar a mão. O amor é qualquer coisa que qualquer um escreva, enfim. E esse é o perigo. E ainda bem. E ainda mal. E aí dá. Mas quem sou eu para falar de Roma?

Michel Melamed nasceu no Rio de Janeiro, em 10.03.1976

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Dilma Rousseff no ranking da Forbes


A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, é a segunda mulher mais poderosa do mundo, atrás apenas da chanceler alemã Angela Merkel, segundo o ranking anual da revista Forbes. Dilma, que ficou na terceira posição por dois anos consecutivos, alcançou o segundo lugar após a saída de Hillary Clinton do posto de secretária de Estado norte-americano, o que fez a ex-primeira dama dos Estados Unidos cair para o quinto lugar.

Outra brasileira aparece entre as 20 primeiras da lista da revista americana: a presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, no 18º lugar. A chanceler alemã Angela Merkel lidera a lista da revista pelo terceiro ano consecutivo. Depois da presidente brasileira aparecem Melinda Gates - que preside ao lado do marido a Bill and Melinda Gates Foundation -, e a primeira-dama dos Estados Unidos Michelle Obama.

Muito orgulho de você, presidente Dilma Rousseff!

Christiane

domingo, 19 de maio de 2013

O que pensa Rubem Alves

Rubem Alves

Todas as palavras tomadas literalmente são falsas. A verdade mora no silêncio que existe em volta das palavras. Prestar atenção ao que não foi dito, ler as entrelinhas. A atenção flutua: toca as palavras sem ser por elas enfeitiçada. Cuidado com a sedução da clareza! Cuidado com o engano do óbvio!


O corpo carrega duas caixas. Uma delas é a caixa de ferramentas, onde se encontram todos os saberes instrumentais, que nos dão os meios para viver. Mas há também uma "Caixa de Brinquedos". Brinquedos não são ferramentas, não servem para nada. Brincamos porque o brincar nos dá prazer. É nessa caixa que se encontram a poesia, a literatura, a pintura, os jogos amorosos, a contemplação da natureza. Esses saberes, que para nada servem, nos dão razões para viver.

Amar é ter um pássaro pousado no dedo. Quem tem um pássaro pousado no dedo sabe que, a qualquer momento, ele pode voar.

É mais fácil amar o retrato. Eu já disse que o que se ama é a ‘cena’. ‘Cena’ é um quadro belo e comovente que existe na alma antes de qualquer experiência amorosa. A busca amorosa é a busca da pessoa que, se achada, irá completar a cena. Antes de te conhecer eu já te amava.... E então, inesperadamente, nos encontramos com rosto que já conhecíamos antes de o conhecer. E somos então possuídos pela certeza absoluta de haver encontrado o que procurávamos. A cena está completa. Estamos apaixonados”

Rubem Alves


sexta-feira, 17 de maio de 2013

Luana Piovani x Corintianos


Texto do site Terra
Depois de se envolver em uma nova polêmica no Twitter, desta vez com a torcida do Corínthians, a atriz Luana Piovani anunciou na tarde desta sexta-feira, por meio de um post em seu blog, que deixará a rede social.

"Sempre respeitei meus limites. Não dirijo, não ando a cavalo e não cozinho. Não me pergunte por que, só sei que nunca insisti nesses assuntos. Acho que não nasci pra eles e ponto. Descobri mais um: o Twitter", escreveu ela, que na noite de quinta aproveitou para se desculpar com a torcida do Corinthians.

"Penso logo existo! Pois é, resolvi pensar... Me arrependi do que falei sobre os corintianos. Recebi um recado da assessoria da torcida da Gaviões, que me fez entender que a rivalidade entre os times é algo que precisa acabar. Precisamos de paz e civilidade. Não posso eu, que já fui agredida, ser incentivadora desse tipo de movimento primitivo. Que o futebol continue nos trazendo alegrias e que, nas tristezas, saibamos domá-la. Me arrependi da grosseria e peço desculpas", desabafou.

Na última quarta, a atriz – declaradamente são-paulina - comemorou pelo microblog a eliminação do Corinthians diante do Boca Juniors na Copa Libertadores da América chamando os torcedores de "imundos".


"Saudações são-paulinas a todos os imundos corintianos que se acham incríveis com esse time que anda bom, mas ontem se f...", publicou a atriz, rindo. O post causou a fúria da torcida e uma série de críticas à postura de Piovani, famosa por discutir com internautas.

Sem se referir diretamente ao episódio em seu blog, Luana se despediu, e disse que sentirá saudade de conversar com os internautas. "Deixo aqui meu beijo, meu queijo e minha saudadinha... Foi bom prosear com vocês todo esse tempo", finalizou

"Até que demorou viu... Não adianta, eu não sei ser velada, eu não lembro, antes de me expressar, que sou pública e que 'não me é dado o direito' de ser sincera sobre qualquer assunto. Ainda não digeri esse meu lugar, mas dou um passo a frente assumindo minha fraqueza e tirando meu time de campo. No more Twitter for me (Chega de Twitter para mim)", anunciou ela, que por enquanto continua com o perfil no microblog ativo.


Opinião: linda, rica, poderosa e com talento para fazer barraco como poucas no mundo artístico. Luana Piovani não precisaria se expor desta forma tão agressiva, mas parece que seu mau-humor é maior do que o seu bom senso. Azeda demais, provocativa demais, infeliz na maioria das suas colocações. Adora palavras de baixo calão, esquece-se de que já é mãe? Tadinho do menino Dom, um dia ficará exposto aos excessos de uma mulher que tem tudo para brilhar, mas prefere o lado torto, chamar atenção pelo avesso! Que sina a dessa moça! Desta vez ela arregou, mas não se engane - foi obrigada - afinal, famosa ou não, mexeu com quem não devia. Teve que engolir e pedir desculpas. Mas logo, logo ela volta pro twitter, onde tem milhares de seguidores. Há quem goste de baixarias! Uma pena.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Salve Jorge



A teledramaturgia global já não é mais a mesma. Desde que mudaram o "conceito" de fazer novela a partir da mistura ficção-realidade e função social, como por exemplo, mostrar a vida de quem vive no lixão, eu, noveleira assumida, perdi a graça de assistir. Avenida Brasil foi um fenômeno há muitos anos não visto, mas aquela história contextualizada na base do ódio, vingança, traição, poligamia, luxo e lixo me embrulha o estômago. A mídia eleva Avenida Brasil ao nível de um texto de Janete Clair, Dias Gomes, Ivani Ribeiro, Cassiano Gabus Mendes, Gilberto Braga e por aí vai. João Emanuel Carneiro escreveu somente uma novela  que gostei - Cobras e Lagartos. Já em A Favorita, não o achei brilhante e o seu último mega-sucesso, foi, para mim, abominável. Bem, sei que sou exceção. É um tal de falar que "estamos" órfãos de Carminha e de Tufão. Órfãos de personagens de novela? E de Avenida Brasil? Credo, gosto não se discute, lamenta-se. 

Em contrapartida, vibrei com Cheias de Charme, fiquei encantada com a alegria e do aspecto fantasioso que é a função de uma novela - entretenimento. Há de se ter uma boa dose de comédia, bons atores, enredo crível., leveza. Fiquei penalizada com o remake de Guerra dos Sexos! Em nada lembrou aquela novela lindíssima de trinta anos atrás! Em nada. Somente sobraram os talentos de Tony Ramos e Irene Ravache. Os demais, um fiasco. Até as releituras das músicas da primeira versão foram pífias. Em 1983, o long play  internacional de Guerra dos Sexos era um dos mais bonitos! Até hoje me lembro das músicas: "Words don't came easy to me..." O que foi a regravação de "Anjo", do grupo Roupa Nova? Nunca vi nada mais patético. Patética também foi a participação da mãe de Jorge Fernando com eu apito insuportável... E a insuportável Luana Piovani. Agora entrou uma tal de Flor do Caribe, ambientada no nordeste, com protagonistas loiros de olhos azuis, "genuinamente" nordestinos, dá para acreditar? E ainda ter Grazi Massafera como protagonista, aí já é demais! Resumo desta história? Tema central de "O conde de Monte Cristo" e remake de "Tropicaliente". Só.

Eu fiz todo esse prólogo para chegar em Salve Jorge! Perdi amigos no facebook por causa do título da novela. Os protestantes começaram a ridicularizar o santo São Jorge, dizendo que era o capeta entrando na casa das pessoas pela televisão. Veja se pode uma coisa dessa! Eu não tenho paciência pra isso e nem papas na língua. Não mesmo. A gente pode pensar muita coisa, mas falar não. Ando cansadíssima deste discurso neo-pentecostal que vê o demônio em tudo: nos santos, nas músicas, nos homossexuais, jornais, à moda Marco Feliciano. Uma chatice de dar nojo e embrulhar o estômago. Sou devota de São Jorge, a paróquia que eu frequento perto da minha casa é Paróquia São Jorge, a única em Minas Gerais dedicada a ele. Os cariocas têm verdadeira adoração por São Jorge, muitos cantores, artistas e pessoas comuns têm o nome de Jorge. É da cultura deles. E Glória Perez, apesar de ser acriana, carioquíssima de coração, quis mostrar uma história passada na Capadócia, berço do santo. O título de sua trama o homenageia, utilizando-se de uma saudação. A novela em nada lembra a história de São Jorge. 


Presença de Helô

Salve Jorge! não teria se salvado caso Giovanna Antonelli não tivesse roubado a cena. Protagonizou bonito, roubou o papel da chorosa e sofrida Morena. Por que mocinhas têm que ser chatas? A garota até que tem um certo talento, mas não ainda para papel principal. E aí é que entra a delegada Helô, ela caiu no gosto do público, está lindíssima, segura, brilhante. Antonelli ofuscou todo o elenco feminino da novela. Nem mesmo a toda poderosa Lívia Marini conseguiu agradar o público, tamanho o  ar blasé na interpretação forçada para uma atriz tipicamente cômica. Depois de Giovanna, a personagem de Totia Meireles, antagonista e vilã, foi muito bem desenvolvida pela atriz, que tirou de Cláudia Raia o título "malvadeza do ano". O ator que representa o Russo é de longe o personagem masculino principal da trama. Rodrigo Lombardi, com toda aquela beleza de capitão do exército, simplesmente não decolou. Ficou chato, chateo! Inseguro, trocou de namorada várias vezes e, por erro da autora, o diminuiu na novela afastando-o do seu par romântico, que ficou muito tempo no núcleo da Turquia. Não é possível haver química entre protagonistas que ficam separados a novela inteira. A distância separa aqueles que amam...

E o que dizer de Zyah! Além de ser um homem de uma beleza ímpar, excêntrica, ele é de um talento incrível! Eu o chamei de Capitão Caverna. Capitão em referência ao personagem Herculano, de Cordel Encantado e a caverna pelo lugar onde morava, na Capadócia. Domingos Montagner e Cleo Pires soltaram faíscas em cenas tórridas. Por algum tempo formaram o principal par romântico de Salve Jorge! Mas,  devido a algum motivo obscuro, foram separados e aí ficaram em segundo plano, dando espaço para Helô e Stênio. Uma novela com excelentes atores de personagens fracos, apagados, vide Antônio Calloni, Natália do Vale, Dalton Vigh, Stênio Garcia, Nicete Bruno, Nívea Maria, dentre outros. Mas o que valeu mesmo foi o núcleo do Alemão. Eu rolei de rir com o "Percoço" e a Maria Vanúbia. Sensacionais! Foi o grupo mais divertido da novela, com as periguetes do morro, a malandragem, os trabalhadores, comerciantes e até um nordestino arretado que brigava com todo mundo.



Espero que Glória Perez não faça mais novelas com dupla nacionalidade. A parte da Turquia foi muito chata. Com exceção da beleza do lugar, até os personagens eram chatos. Não acredito que Salve Jorge! vá entrar no hall das melhores novelas dos últimos tempos, como foram Caminho das Índias, Insensato Coração, Fina Estampa, Cordel Encantado, Cheias de Charme e Avenida Brasil. De tudo que se vê na telinha, eu ainda gosto de ver novela, agora bem menos, antes eu acostumava acompanhar todas. À medida que estou envelhecendo, tenho dado prioridade a outras coisas, quase não me prendo à televisão. A internet me absorve grande parte do dia, separo um tempo para leituras, ouvir músicas, escrever ou, simplesmente, não fazer nada. Será a vida imitando a arte ou a arte imitando a vida? E Salve, Jorge!


domingo, 12 de maio de 2013

Dia das Mães

Meus filhos e Minha mãe

Mãe... Palavra bonita, inspiradora, sublime. Eu não saberia dizer o que é ser mãe. Porém, é com muita convicção que posso dizer o que é ser filha. Pelo privilégio concedido por Deus, eu tive duas mães. Uma que me gerou e outra que me criou. Na verdade, ambas me criaram. Sempre fui uma boa filha, não era dada a rebeldias, muito comportada e obediente. Sou o que sou hoje porque herdei dessas duas mulheres maravilhosas - mãe e avó - as virtudes necessárias para me tornar filha, esposa e mãe. Na medida do possível, tento não sair dos trilhos, e busco levar comigo os ensinamentos de como ser uma pessoa melhor, dentro do estatuto familiar pelo qual fui guiada até a minha adolescência, quando deixei o lar original para formar uma outra família. 

 Há cinco meses, Deus levou minha avó. Eu sou a neta mais velha do lado paterno. Nasci quando meus pais eram bastante jovens e quis o destino que meus avós os acolhessem, para que eu tivesse dois pais e duas mães. Os 42 anos que convivi com ela só reforçaram os laços de uma aprendizagem de vida, que tempestade nenhuma irá desatar. Para sempre avó, mãe, sinônimo de carinho, afeto, coragem, caráter, força e fé. Minha vozinha, minha mãezinha Nina. Vó Nina. Era como eu a chamava, pois muito pequena ainda, tomada em seus braços, não conseguia falar vó Izolina. E ficou Nina, para mim e para tantas outras pessoas que assim a chamavam. Está no Céu, minha querida, amada, admirada, lindinha vovó Zola! Nunca nem nada nem ninguém, conseguirá fazer com que eu perca seus ensinamentos, principalmente os valores de família, de justiça e de amor incondicional para com aqueles que nos prezam. Essa é a maior das heranças que ela deixou para quem a amava. Doce lembrança que trago no peito...

Vó Nina  voltando de sua última viagem em Aparecida. Seu sonho era ter conhecido Trindade.

Mãe, por quantos caminhos sinuosos nós passamos juntas? Não saberia enumerar. O amor que uma mãe tem pela sua filha é algo desmedido, imensurável, infinito. Por isso eu me sinto privilegiada por ter tido uma mãe-avó e poder conviver com minha mãezinha linda! Há quem diga que somos fisicamente parecidas, não sei. A única certeza que tenho é que sua herança, mais do que aparência, é o exemplo de uma mulher com uma fibra que até hoje vi em poucas. Um pilar inabalável para suas três filhas. Uma nora de adjetivos infindos. Morou com minha avó por toda a vida, cuidou dela em seus últimos momentos, e hoje, depois desta tristeza de a termos perdido, mas com esperança de um dia nos reencontrarmos, minha mãe continua com o legado deixado por ela - o cuidado com a família. E dessa forma, mãezinha cuida do meu avô com o carinho pelo qual toda filha deve ter com seus pais. Minha mãe foi uma filha para meus avós... Meus avós foram os pais que minha mãe não teve a chance de conviver, uma vez que eles partiram cedo, quando ela era muito jovem. Mães... Filhos! Amor que se mede? Não! E nem se repete!

Minha mãe, Maria das Graças

Meus filhos... Somente eles poderiam dizer como é a mãe Christiane. Eu sempre fui precoce e, na maternidade, não poderia ser diferente. Nasceram quando eu ainda tinha vinte e poucos anos. São meus companheiros, meus "meninos".  Matheus está com 21 e Thales com 16. Tão meus e, daqui a pouco, tão do mundo. Meus filhos, motivos de alegria e de preocupação. Eu peço a Deus que possa guiá-los para o caminho do bem, que possa conduzi-los aos mais íntegros sentimentos para com a vida e para com as pessoas que, inevitavelmente, eles ainda terão de encontrar. 

Que a Mãe de Jesus se compadeça de todas as mães, que seu exemplo de resignação e fé toque os nossos corações. E saibamos ser misericordiosas, piedosas e acima de tudo, amorosas com nossos filhos, pois nenhuma mãe passou pelo que Ela passou com o seu Filho. Que Nossa Senhora nos guie, nos proteja e nos guarde neste dia tão especial, que também é dela, e nos tantos outros que ainda virão. Amém.


terça-feira, 7 de maio de 2013

I Love Like



Eu amo na frequência que amam os loucos
Eu amo por necessidade de preenchimento
Eu amo até transbordar
Eu amo dos pés à cabeça e
Depois
Amo de ponta Del Leste
Ao agreste que anda meu coração
Eu amo tão desesperadamente
Tão verdadeiramente
Tão sem truques
Planos
E efeitos
Tão sem jogos e conceitos
Que sempre me sobra
Um vazio na mão.

Talles Azigon


sábado, 4 de maio de 2013

Paul McCartney em Belo Horizonte - Out There


Um sonho. Procuro palavras para adjetivar o show e o mito Paul McCartney. Li poucas reportagens sobre o evento que foi solenemente ignorado pela mídia do eixo Rio-São Paulo. Nenhum site, com exceção do portal Uai, destacou aquele que foi o primeiro espetáculo da turnê mundial "Out There". Um certo rapaz escreveu para o Uol, que Belo Horizonte virou uma beatlelândia! Fez lindas referências a nós, mineiros, e destacou com maestria a paixão que esta terra tem pelo quarteto de Liverpool. Um texto para ser degustado, imprimido e guardado; pois reflete a alma das quase 60 mil pessoas que fizeram parte de um lendário evento musical! 

Desde que ficou acertada a vinda do Beatle a Belo Horizonte, eu e meu marido tivemos a certeza de que não poderíamos perder essa oportunidade. Na hora de comprar os ingressos via internet, varamos madrugada adentro. Aquisição feita, começaram as expectativas! Como eu sou uma pessoa cujo coração bate na boca, já estava vendo a hora em que ele iria pular pra fora. Meu nome deveria ser emoção. Nada comigo funciona na base da racionalidade, sou aceleradamente cardíaca e um evento deste porte me fez passar por altos e baixos no quesito segura-a-sua-onda! Decerto, vieram acompanhadas desta expectativa, crises de angústia, euforia, gastrite e enxaqueca. Nada, porém, que tirasse meu ânimo e minha vontade de superar as querelas- hipocondríacas-psicossomáticas para estar inteira e saudável no dia do show.



Queríamos estar a caráter, como estivemos nas apresentações do U2 e Roger Watters, em São Paulo. Mas não achávamos camisas nem bandanas de Paul, sozinho. Adquirimos então, blusas com estampas dos Beatles, que em nada diminui os paramentos, pelo contrário, só nos faz lembrar que Sir. McCartney é o único que ainda leva milhões de pessoas à loucura, cinquenta anos depois da meteórica carreira de sucesso daqueles rapazes da terra da Rainha. E por falar nisso, Paul McCartney começou o show cinco minutos antes do previsto. Um lorde e sua pontualidade britânica. 

Chegamos ao Mineirão por volta das 19 horas, isso porque fomos de moto. Trânsito travado e nós dois raspando pernas entre carros com vista infinita. Ficamos uns 40 minutos para conseguir entrar no estádio, já quase completamente lotado duas horas antes do início. Quase não achamos lugar para assentarmos. O Mineirão estava incrivelmente lotado, abarrotado, eufórico e nós, perplexos diante de tamanha festa. Ao apagar das luzes houve uma histeria coletiva vista somente em espetáculos que presenciei desta magnitude. Indescritível a sensação de estar tão próxima do maior ídolo vivo da música de todos os tempos. Paul McCartney não é só um ex-Beatle, ele é o cara! Extremamente simpático, simples, carismático, elétrico, versátil e lindo! Um septuagenário belíssimo! Pronto, achei as palavras para descrevê-lo!



Nas duas horas e meia de show, Paul falou português, mineirês, caminhou pelo palco com a bandeira do Brasil, dançou, interagiu com o público como eu nunca havia visto antes, em se tratando de uma lenda. E Paul pegava sua guitarra, depois trocava por seu violão, pelo baixo, ia para o piano, falava com o público, tudo isso sem parar um minuto nem para beber água.  Homenageou sua atual esposa, Nancy e também Linda McCartney, sua companheira que está no Céu; e os amigos da  antiga banda, John e George. Para esse, cantando sua composição "Something" acompanhado de um instrumento parecido com um cavaquinho, mas de nome estranho: ukelele. Emocionante!



De todas as músicas do set list, aquelas que mais empolgaram o público foram os grandes sucessos dos Beatles: Let it be; Hey Jude e Yesterday. Mas muitas outras foram cantadas pelos milhares de fãs ali presentes, ardentes beatlemaníacos. Me impressionou bastante a performance visual em "Live and let die", com explosões de cores e fogos de artifício atrás do palco. Obladi, Oblada; Get Back, And I love her e demais mega-sucessos fizeram daquela noite um momento inesquecível na vida de cada um. E, jamais me esquecerei da frase de Paul, carregada no sotaque, não por isso ininteligível: "Finalmente, Paul veio falar uai!" Obrigada, Paul McCartney, o sonho não acabou!

Christiane Bianchi

Thiago Pererira para uol

Portal Uai

quarta-feira, 1 de maio de 2013

May

NA NA NA NA
NA NA NA NA


HEY, JUDE!

Paul McCartney em Belo Horizonte

4 de Maio no Mineirão

Coração Acelerado!!!

Ouça