domingo, 17 de junho de 2012

Caio Fernando Abreu




Mas se você não me procura, é porque consegue viver bem.

Não sei mais falar, abraçar, dar beijos, dizer coisas aparentemente simples como "eu gosto de você". Gosto de mim.

Tô tão só, Zézim. Tão eu-eu-comigo.

A todo instante lembro de quando estava tudo em aparente paz.(...) um jogo onde não haveria vencedor nem vencido, apenas um gentil fracasso final compactuado e compartilhado amável por ambas as partes.

Embora não conheça o ponto onde devo chegar, é para lá que me dirijo cego, aos trancos.

Embora eu costumasse dizer que não era bom, absorvia vibrações, todas as vibrações, as energias. Boas, más, todas.

Não tem coisa melhor (nem pior) do que gente.

Procurando com meus olhos, ando viciado em coisas lentas, lentas e essenciais, em música e, sobretudo, estou viciado em silêncio.

Não sei quanto tempo durou. Sei que de repente a gente se afastou e, olhando um pro outro, começamos a rir feito loucos outra vez.

Mas não se pode agir assim, a amiga avisou no tel. Uma pessoa não é um doce que você enjoa, empurra o prato, não quero mais.

Vai pelo caminho da esquerda, boy, que pelo da direita tem lobo mau e solidão medonha.