domingo, 4 de maio de 2014

Das Coisas Que Eu Gosto

A última crônica postada no blog é de um médico. Ele escreve para um site - Revista Bula - e tem ótimos textos. Neste, que eu peguei emprestado, o autor cita uma porção de coisas das quais ele não gosta. Confesso que, com muitas delas, eu me identifiquei. Portanto, para dar o direito ao contraditório - que faz parte da vida, contradizer-nos - estive pensando em um monte de coisas que eu gosto. Não tenho pretensão de ser cronista, contista, poeta ou algo assim. Quero apenas dar um foco diferente, um olhar de suavidades, alegrias, delicadezas e esperanças. Afinal, para que mesmo a gente vive?


Para começar o dia, café e pão de padaria. Ficar de pijama, fazer hora na cama....
Abrir as cortinas, a porta da frente, ficar descalço na varanda...
Admirar a jardineira, conversar com as flores, olhar para o horizonte, calçar meias...
De café, xícaras e xícaras, manteiga, pão de sal, copo de leite, geleia, pão integral....
Deitar no sofá, ligar a TV, iogurte natural, assistir ao primeiro telejornal...
A manhã já está na metade, panelas ao fogo, arroz, feijão, salada e carne. Trabalhar de tarde...
Banho demorado, água quentinha, cabelos molhados, xampu de queratina...
Óleo trifásico - maracujá, cheiro de moça, andiroba, buriti ...
Sabonete de alecrim, bucha vegetal, hidratante de jasmim....
Escolher roupa, ficar bonita, passar rímel, sombra, batom. 
Uma velha calça jeans, sapatilhas, sandalinhas, camisetas, roupas finas...
Aquela rasteirinha que amo, mas fica no fundo do armário porque tem cor neon...
Chegar ao trabalho, sorrir para todos, junto com os alunos, rezar o Pai Nosso...
Acolher, ensinar, às dúvidas responder, no recreio descansar...
Sair da escola, ir para a academia, correr na esteira, pernas grossas, cintura fina...
Voltar pra casa, outro banho, mais um lanche, livros da estante...
Há tantos deles, escolho um, viajo no mundo das letras...
Duas vezes por semana, aulas de inglês, embromation, difíceis etecéteras...
Até chegar o sábado, meu dia favorito...
Sem hora para acordar, sem precisar cozinhar e ir ao shopping passear...
Cafeteria, cappuccino italiano, salgado folheado, petit-gateau...
Olhar vitrines, fazer hora na livraria, comprar outra bijuteria, perder a noção de quanto gastou...
E no domingo não me deprimo... Que venha a segunda e o resto da semana inteira...
A vida é breve, é um sopro, pode ser séria ou uma grande brincadeira...
Por isso eu digo, redito e raramente entro em conflito comigo...
Porque faço aquilo que gosto, aquilo que quero e, acima de tudo, aquilo que acredito!

Christiane Bianchi
Maio de 2014