domingo, 17 de maio de 2009

Dez Abafo - Dez Abada



Construir - ato de edificar, elaborar.


Desconstruir - ato de desmontar, desfazer.


Como é fácil construir um sentimento! Gostar, se apaixonar, se iludir, confiar, sonhar. Difícil mesmo é ver tudo isso cair por terra, virar ruína.

Quando nos afeiçoamos a alguém, contamos com uma série de elementos básicos que nos levam a crer que o alvo é perfeito, uma tradução do divino - 'Como não conheci esta pessoa antes?".




Entenda aqui, eventual leitor, que não estou falando exclusivamente do afeto relacionado à paixão. Dele também, mas não só. Esta construção do sentimento se abrange às pessoas que elegemos como amigos, companheiros profissioanais, conselheiros, irmãos, parentes.


Rubem Alves descreve muito bem sobre o sentimento de empatia que entrelaçamos com o outro. Ele dá a isso o nome de espelho. Achamos bonito em alguém o que acreditamos ser bonito em nós. Rejeitamos aquilo que nos torna feios. Quem quiser saber mais, leia Retratos de Amor, um belíssimo livro de crônicas deste incrível autor.


Pois bem, toda essa lenga-lenga de introdução é para declarar (a quem interessar, claro), que estou em processo de desconstrução. Talvez devido ao amadurecimento que a idade nos traz, percebo dia após dia que não adianta você se desvirar ao avesso, se entregar por inteiro, trazer o céu a lua para alguém se esse alguém simplesmente não é seu espelho. Se a pessoa não vê o mundo com os seus olhos, desista de investir em algo mais sério. Seja apenas colega, vizinha, casinho, ou coisa parecida.


É muito ruim criar expectativa em relação a uma pessoa. Imagina você escrevendo um e-mail para alguém que gosta e ficar esperando por uma resposta que NUNCA vem. Horrível. Aí tem aquele papo de livro de autoajuda dizendo que temos que aprender a amar sem esperar nada em troca, que o amor é magnânimo, infinito e livre. Às favas com esse papo de autor norte-americano. Eu não A-GO-EN-TO isso! E não é só e-mail, não. Telefonema, carta, cartão, visita, enfim, toda e qualquer forma de comunicação que nos deixa no vácuo.


É isso, por ora chega. Digamos que fiz um post-dasabafo-porque-ninguém-aguenta-gente-seca-e-distraída.




Beijos pra todos.

Christiane