sábado, 20 de agosto de 2011

Reynaldo Gianecchini

Eu estava em falta com ele. Um ícone de beleza, um ídolo da nova teledramaturgia. Já fiz posts homenageando a beleza de tantos outros e nunca havia falado deste ator. Um cara de fina estampa e carisma excepcionais. Seu dom para representar? Não vim aqui para falar sobre isso. Sua beleza extraordinária o catapultou a vários papéis de galã, embora nunca tenha convencido tanto pelo talento, mas sim pela vontade de superação.

Há poucos dias, Reynaldo Gianecchini surpreendeu e causou comoção nacional ao assumir que está com câncer. Sim, o câncer, uma doença democrática que atinge a qualquer pessoa de qualquer classe social, aparência física, caráter... Uma doença ingrata que muitas vezes leva cedo o seu hospedeiro. Felizmente, muitos daqueles que são acometidos pelo câncer conseguem obter a cura. Isso não é raro. Portanto, o anúncio de que alguém está com câncer desestrutura as bases de qualquer um. Sendo ou não da família. Já passei por esse drama entre entes queridos, sei da luta e da dor de cada dia assistir aos efeitos de uma químio, rádio e cirurgias. 

Imagino uma família ter que passar por isso com duas pessoas ao mesmo tempo, o pai e o filho, ou irmão, ou primo, como é o caso do Gianecchini. Haja teste de resistência emocional! Espero, assim como milhares de brasileiros, que Giane consiga se tratar e ainda possa nos presentear com sua bela presença nas telas da TV e do cinema. Personagens como o Edu, de Laços de Família; os gêmeos de Da Cor do Pecado e o esforçadíssimo vilão Fred, de Passione estão no hall de suas representações, tenham sido elas pífias ou convincentes. Não importa. Hoje eu quero falar do homem, do ser humano de carne e osso, e não do intocável galã global sentado no Olimpo.

Giane vai conseguir!