quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Saber ouvir um Não!



É preciso aprender com os nãos da vida. Principalmente, é necessário manter o equilíbrio emocional diante de uma negativa, seja ela qual for: um livro que você pede emprestado; aquele CD que você não encontra para comprar e conhece alguém que tem, mas, sabidamente, não vai compartilhá-lo com você; o não dos seus filhos; o não dos seus pais; o não dos seus companheiros; o não dos vizinhos, dos amigos, dos inimigos; o não do amor da sua vida. 

Quando você ouve um não, você sempre aprende que algumas coisas não se pede emprestado - livros, cd's, carro, escova de dente. Também pode ser um punhado de sal, açúcar, farinha ou fubá para um bolo. Há também canetas, cadernos, laptops, senhas. O que estranhamente não estamos acostumados é pedir exemplos. Contentamo-nos em mendicar coisas materiais, que podem ser repostas, se danificadas em caso de empréstimo.

Absurdamente, me pego pensando que nunca pedi a ninguém emprestado: educação, respeito, carinho, solidariedade, amizade, bom senso, bom humor, compaixão, resignação, prudência, consciência, ética, amor, delicadeza... E esse pensamento me dá uma imensa paz de espírito, pois são valores que cultivo, assim como as plantas do meu jardim. São valores inerentes à minha pessoa. Outrora frágeis como flores ao sabor do vento, da chuva, da seca. Mas estão lá, sendo adubados para que suas raízes não apodreçam.   Será que se eu pedisse esses valores emprestados, alguém me diria um NÃO? Pode ser que sim, pode ser que não. Depende para quem se pode, poi, cada um só pode doar aquilo que tem.

O empréstimo poético dos substantivos abstratos que citei acima, evidentemente é uma mera ilustração daquilo que costumamos deixar à deriva em nosso inconsciente, por não considerá-los de essencial importância para o nosso aprendizado pessoal. Quando não podemos ter algo material, ou por faltar-nos recursos financeiros ou por falta do produto no mercado, é comum lançarmos mão de "pedir emprestado". Mas a gente se esquece de adquirir por conta própria certos valores indisponíveis em vitrines de liquidação ou catálogos de compra, bazares ou feiras de trocas.

Quando você deseja algo de uma forma muito intensa e isso está em um patamar tão inalcançável, costumamos beirar o desespero. O inconformismo com o NÃO nos deixa vulneráveis e predispostos a muitas vezes passarmos por ridículo! Acontece comigo, acontece com todos. Uma boa proposta para o auto-conhecimento e o controle das nossas emoções deveria começar com um NÃO todos os dias. Amanheceu chovendo? NÃO teremos sol, conforme-se e agradeça a Deus pela natureza. Acabou o ingresso para aquele show maravilhoso? NÃO será desta vez, conforme-se, haverá outras chances. Chegou atrasado ao aeroporto e perdeu o voo. NÃO irá embarcar, tente chegar mais cedo da próxima. Tudo é aprendizado. Foi o fim de uma amizade? NÃO era amizade, pessoas vão e vêm o tempo todo. NÃO implore e nem dê explicações, quem te ama não precisa disso. NÃO se humilhe e nem se rebaixe para obter atenção de alguém. NÃO atire pérolas aos porcos. NÃO se deprecie perante qualquer situação. NÃO seja soberbo, arrogante, prepotente. NÃO queira sempre estar certo, ninguém é o dono da verdade!

Difícil, não é? Eu acho. Lidar com as negativas da vida me provocam sensações muito desconfortáveis. Mas tento, na medida do possível, ver vantagem nos NÃOS que recebo. Um dia, lá na frente, quando enfim a velhice definitivamente se instalar e junto dela a sabedoria dos que muito já viveram nesta vida, eu acredite que todo NÃO  que eu recebi foi uma chave para a porta de todos os SIMs que tive de abrir. E, atravessando essas portas, terei certeza de que nada foi em NÃO.