segunda-feira, 2 de julho de 2012

RPM - Show em Belo Horizonte




Eu não vi Cazuza, eu não vi Renato Russo. Não assisti a nenhum show do Barão Vermelho e nem da Legião Urbana. Meus ídolos da adolescência tão rica em musicalidade: anos 80, saudosos Anos 80! Das várias outras bandas que faziam sucesso naquela época, nenhuma me causava tanto frisson quanto o RPM. Paulo Ricardo era o ícone de beleza dentre os vocalistas. Nem mesmo Dinho Ouro Preto, Roger do Ultraje, Toni Beloto dos Titãs, nenhum deles abrigava todos os predicados do eletrizante líder de Revoluções Por Minuto! Ah, ele era lindo demais! E aquelas canções dançantes, frenéticas, românticas... Infelizmente a banda durou pouco. Deslumbrados pelo sucesso instantâneo, os egos ficaram inflados, disputas internas, divergências, drogas, o RPM chegou ao fim antes mesmo dos Anos 90! Ensaiaram alguns retornos, sem os quatro componentes originais, mas não funcionou. Paulo Ricardo tentou carreira solo, viajou pelo brega, perdeu a credibilidade de muitos fãs por causa disso. Nestas idas e vindas, o RPM decidiu voltar mais uma vez e fazer uma turnê desde o início de 2011. Eu não acredito em bandas "requentadas". Para mim tudo não passa de uma oportunidade de fazer caixa! Para isso lançam mão de um artifício implacável e infalível: levar aos shows aqueles adolescentes oitentistas, hoje pessoas de meia-idade (como eu), para um revival! E não é que dá certo?!


Foi dentro desta nova proposta do antigo quarteto que pude assistir, pela primeira e provavelmente  última vez, ao show dos músicos do RPM. Eles se apresentaram no Chevrolet Hall, na sexta-feira, dia 29 de junho. Eu esperava um espetáculo mais a altura da banda, mas me vi diante de uma casa meio esvaziada, uma apresentação com poucos recursos e canções inéditas cansativas. Entretanto, foi muito gostoso ver de perto (eu e minha irmã Bruna fomos juntas e conseguimos um bom lugar na plateia) aqueles ídolos da infância crescida. Paulo Ricardo continua muito bonito, extremamente simpático, educado, carismático e com uma voz poderosa! Luiz Schiavon é aquela mesma figura que nos acostumamos a ver no programa do Faustão, um músico talentosíssimo em seus teclados, discreto, tímido. P.A. está bem envelhecido. Antes do retorno do grupo, ele estava morando em um sítio, criando galinhas. Isso não o desmerece em nada, deixe-me esclarecer. P.A. é um exímio baterista e um artista simplíssimo! Já o guitarrista Fernando Deluqui deveria ganhar a alcunha de Fernando Delu Quelindo! Mas o homem está um espetáculo de bonito! E os solos de guitarra, hein! Muuuuuito bacana, show demais! Quando eles começaram a tocar as músicas do disco Rádio Pirata o público entrou em delírio! Foi demais, sensacional, uma emoção tardia, porém, posso dizer que vi - ao vivo em EM cores - uma das minhas bandas favoritas... Com todos os integrantes vivos! Isso me deixou feliz! Valeu RPM!

Vídeo amador da música Rádio Pirata