domingo, 17 de fevereiro de 2013

Indelével



Indelével é tudo aquilo que não pode ser apagado, extinguido, destruído. Indelével é algo permanente, como  nas palavras de Adélia Prado: "O que a memória ama, fica eterno." E é assim que a vida vai nos levando aos reencontros possíveis. Sim, porque nem todas as pessoas são dignas de serem reencontradas, relembradas, para sempre amadas. Há pessoas que são impossíveis de se conviver. Mas não é sobre essas pessoas que vim falar, não devemos gastar vela com defunto ruim. Venho falar sobre lealdade. Ontem, após 15 anos distantes, pude rever minha amiga e minha xará, Cristiane. Nos conhecemos ainda crianças, crescemos juntas, compartilhamos momentos incríveis, estudamos no mesmo colégio, formamos juntas no magistério, nos graduamos na mesma universidade, fizemos o mesmo curso e somos professoras. Muito mais que coincidências, são trajetórias paralelas vivenciadas por pessoas afins. Pessoas com afinidades, que pensam da mesma forma, agem com os mesmos critérios e sabem entender que a distância, muitas vezes imposta pelos percalços da vida, não apaga o sentimento verdadeiro, o sentimento da amizade. Pudera todas as pessoas que um dia me chamaram de amiga entendessem o real valor dessa palavra. Quisera que toda antiga amizade se renovasse no carinho e na comunhão da alegria indescritível do reencontro. E a vida, justa com os justos, me permitiu retomar esta amizade que nunca, em momento algum de todos esses anos vividos, eu me esqueci. Cris, 15 anos sem nos vermos de novo, nunca mais! Deus tem sido generoso comigo. Ele me afasta das más pessoas e me presenteia com as boas, belas, sinceras e verdadeiras criaturas, essas que posso estufar o peito e falar: "É minha amiga"!