segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Tragédia Anunciada

O texto abaixo foi transcrito do blog Tijolaço, a respeito da morte do cinegrafista Santiago Andrade, da TV Bandeirantes, ferido durante uma manifestação no Rio de Janeiro na quinta-feira passada. 


  
É óbvio que, poucas horas depois do anúncio da morte cerebral do cinegrafista Santiago Andrade, não existem condições para o protesto convocado para hoje no centro do Rio.

Faze-lo é abrir caminho para todo tipo de provocador.

E para as reações mais brutais de policiais que vão se sentir politicamente protegidos para “baixar o porrete”.

Tanto é assim que duvido que a ele compareçam mais do que uma dúzia de gatos pingados, “ativistas” da falta de bom-senso e da irresponsabilidade.

Assim como é falta de bom-senso e de responsabilidade a ação dos que estão sustentando estes grupos, sejam quem forem.

Inclusive do Ministério Público e da Justiça, que não os responsabilizaram por todo tipo de depredação e destruição que provocaram.

E dos políticos que, à direita e à pseudoesquerda, toleraram e passaram a mão na cabeça deste tipo de atitude que, afinal, conseguiu o que queria: transformou os legítimos movimentos sociais de protesto – e não falta contra o que protestar – em sinônimo de pancadaria e baderna.

Alguns entram aqui para fazer agressões e ameaças, pouco se me dá.

Não vou parar, como faço há dias, de afirmar que é hora de dizer não a isso.

Quem tem que se lamentar, a esta altura, são os que, por um paternalismo equívoco, deixaram de cumprir seu papel e dizer que democracia se faz com povo e de cara limpa, não com paus, pedras e máscaras.
Claro que nem todo mascarado é vândalo.

Mas, mesmo não sendo, é no mínimo um idiota que não percebe que dá cobertura com isso aos que são e a todo tipo de imbecil que vai descarregar seus desajustes psíquicos com estas fantasias.
Isso não é uma brincadeirinha.

Isso  mutila pessoas e mata pessoas, de todos os lados.

Mas, pior, isso arruina a democracia, a liberdade, o direito de manifestação pacífica e desarmada.

E abre caminho para os fascistas, se os democratas não tem coragem de dizer não.

Quem tem história nas lutas populares, inclusive quando não havia liberdades, não pode aceitar ser patrulhado por quem quer que sejamos lenientes com a selvageria.

Mesmo a de meninos de “muito boa família”.