sábado, 27 de março de 2010

JUSTIÇA

Assim mesmo, em Caps Lock, na cor azul como o céu onde habitam os anjinhos, venho entitular esta postagem para homenagear àqueles que fizeram JUSTIÇA ao condenar o casal Nardoni pela morte da Isabella. Muitas atrocidades contra pessoas de boa índole são cometidas diariamente mundo afora. Há crimes que podem ser julgados, com veredicto justo e impondo aos réus um regime de reclusão para que não cometam outros crimes contra inocentes.


Contudo, há também os crimes que ficam impunes, pois são crimes que assassinam, violentam, destroem a alma de uma pessoa. São os crimes emocionais. Quanto a esses, temos que acreditar em dois tipos de justiça - a Divina ou a do Retorno (aqui se faz, aqui se paga). Nem todas as pessoas vítimas deste tipo de crime comentido por pessoas com verniz social, criminosos de mãos limpas,  podem recorrer a um júri e ter sua dor restaurada pela condenação destes réus disfarçados de gente, verdadeiros monstros.

Mas hoje, nesta data de 27 de março de 2010, venho endossar os gritos de outras centenas de milhares de cidadãos comuns que agradecem aos jurados o veredicto imposto aos réus Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá. Justiça foi feita! Parabéns a todos os envolvidos neste caso que lutaram para que a morte de Isabella não fosse apenas mais uma triste estatística da violência contra crianças, cometidas por pessoas doentes, psicopatas. Por isso é que dentro da área do Direito, sou fã incondicional da promotoria. Advogados existem aos montes, uns para defenderem inocentes, outros para defenderem os já sabidamente culpados. Advogados, ah, advogados! All Pacino que o diga! Paz, Isabella! Os homens fizeram JUSTIÇA!