quinta-feira, 31 de março de 2011

Vinícius, para sempre...

RECEITA DE MULHER


As muito feias que me perdoem   
Mas beleza é fundamental.
É preciso que haja
Qualquer coisa de flor em tudo isso
Qualquer coisa de dança,
Qualquer coisa de haute couture
[...]

Não há meio-termo possível. É preciso
Que tudo isso seja belo. É preciso que súbito
Tenha-se a impressão de ver uma garça apenas pousada
e que um rosto de vez em quando
adquira essa cor só encontrável
no terceiro minuto da aurora.
É preciso que tudo isso seja sem ser,
mas que se reflita e desabroche no olhar dos homens.
É preciso, é absolutamente preciso
Que seja tudo belo e inesperado.
[...]

Que seja bela ou tenha pelo menos
um rosto que lembre um templo e
Seja leve como um resto de nuvem:
mas que seja uma nuvem
[...]

Uma boca fresca (nunca úmida!)
é também de extrema pertinência.
[...]

Os menbros que terminem como hastes,
mas que haja um certo volume de coxas
E que elas sejam lisas,
lisas como a pétala
e cobertas de suavíssima penugem
No entanto, sensível à carícia em sentido contrário.
[...]

Preferíveis sem dúvida os pescoços longos
De forma que a cabeça dê por vezes a impressão
De nada ter a ver com o corpo,
e a mulher não lembre flores sem mistério.
[...]

Mas que as concavidades
e reentrâncias tenham uma temperatura nunca inferior
A 37 graus centígrados, podendo, eventualmente provocar
queimaduras do primeiro grau.
Os olhos, que sejam de preferência grandes
E de rotação pelo menos tão lenta quanto a da Terra;
e que se coloquem sempre para lá
de um invisível muro de paixão que é preciso ultrapassar.
Que a mulher seja em princípio alta
Ou, caso baixa, que tenha a atitude mental dos altos píncaros.
[...]

Que ela surja, não venha; parta, não vá
E que possua uma certa capacidade de emudecer subitamente
e nos fazer beber o fel da dúvida. Oh, sobretudo
Que ela não perca nunca,
não importa em que mundo
Não importa em que circunstâncias,
a sua infinita volubilidade de pássaro;
e que acariciada no fundo de si mesma
Transforme-se em fera sem perder sua graça de ave;
e que exale sempre
O impossível perfume; e destile sempre
O embriagante mel; e cante sempre o inaudível canto
Da sua combustão;
e não deixe de ser nunca a eterna dançarina
Do efêmero; e em sua incalculável imperfeição
Constitua a coisa mais bela e mais perfeita de toda a criação imunerável.

Trechos
Tem como não amar Vinícius de Moraes?